Como adestrar seu marido - Formigueiros.com
Formigueiros

Como adestrar seu marido

Ontem eu li uma matéria na Globo.com que me despertou bastante curiosidade e atenção. Falava sobre educar filhos com base em algumas técnicas de adestramento de cães. A matéria gerou diversos comentários negativos, de pessoas que se sentiram ofendidas de comparar seu filho à cães e até mesmo alguns comentários pertinentes quanto às conseqüências deste ‘adestramento’ ao futuro autônomo do filho. Pelo sim ou pelo não, preferi perceber de outra forma. Assim como os cães, o ser humano também gosta de reconhecimento, ele sabe entender quando estamos de mau-humor e precisa (talvez seja esta a maior carência na relação pais e filhos de hoje) saber a quem deve obediência e/ou respeito.

Procurando esta matéria tão polêmica sobre educação de filhos através dessa técnica que causou uma certa repulsa por parte dos leitores, acabei encontrando algo parecido, só que ao invés de educar crianças, educa maridos. Isso mesmo! E o marido nem precisa ser ‘cachorro’ não (É, porque em alguns casos isso se aplica…rs).

Em um livro escrito por Amy Stherland, ela descreve como foi bem-sucedida ao aplicar técnicas de adestramento para mudar comportamentos irritantes do seu marido (o cobaia do método). Dentre os principais aprendizados que ela extraiu desses, vamos dizer, testes, ela cita algumas dicas de retorno imediato:

Sempre devemos premiar o comportamento que apreciamos: E isso nos mínimos detalhes, como simplesmente jogar a roupa suja no cesto. E premiar não necessariamente significa dar biscoitinho, pode ser desde o nível de um ‘obrigada’ até carinhos mais especiais (se é que você me entende). ;

– Sempre devemos ignorar aquilo que não gostamos: Reclamar das atitudes que você não gosta só faz aumentar a dosagem dessas atitudes que não gostamos. Afinal, ‘você não consegue fazer com que uma foca mantenha a bola no focinho resmungando com ele’. Ao perceber que você não dá atenção (assim como cachorros quando ficamos imóveis) aos poucos seu marido vai deixar de fazer o que você não gosta, simplesmente porque você pacientemente não deu bola e nem deu o mínimo de atenção. Não reaja, simplesmente;

– ‘Nada é culpa do animal’: Procure uma forma positiva de abordagem. Às vezes o tom da voz, a maneira como se fala, pode render excelentes resultados. ‘Os psicólogos dizem isso há anos. É muito mais eficaz reforçar positivamente os bons hábitos que punir o que é indesejável’;

Com essas simples três regrinhas é possível manter um relacionamento saudável, bem-humorado e bem-sucedido, segundo a autora. Veja abaixo uma matéria feita pela Globo.com falando sobre o assunto:

Mas antes disso, claro, é necessário que você adestre sua paciência! Bom-humor e um bom jogo de cintura é importante pra manter acesa a chama de um casamento. Ah, e não vá pensando que isso funciona só para homens não, hein! Os homens também podem testar o método com suas esposas. Cuidado apenas no que vai dar como ‘prêmio’ à elas. Tem mulher que não aceita presentes simples como um mero ‘obrigado’ ou ‘carinhos mais especiais’…rs. Boa sorte nas suas relações (com ou sem adestramento). 😉

Fonte: Revista Época

Categorias: Formigueiros,Humor,Sexualidade
Tags: , , , ,
janeiro 10, 2010 | Por Arteira | Comente

Comente