Eliminatórias: Brasil e Bolívia empatam no Engenhão - Formigueiros.com
Formigueiros

Eliminatórias: Brasil e Bolívia empatam no Engenhão

 robinho

Foi triste o espetáculo de ontem a noite no Engenhão.

Foi triste porque a seleção não jogou bem.

Foi triste porque não conseguimos marcar nem ao menos um gol no lanterninha da competição dentro da nossa própria casa.

Foi triste porque nos deparamos com a dura realidade de que não somos mais uma seleção radicalmente diferenciada das demais, e que todo jogo que vier pela frente será duro para nós como é duro para a Argentina, para a Alemanha, para a Itália e todas as outras grandes seleções do planeta.

Porém, dentre tantas coisas tristes a pior é ver que a nossa seleção permanece desterrada, sem casa, sem terra, sem torcida, sem ânimo.

Nos últimos tempos, a seleção brasileira tem se sentido melhor, mais motivada e mais harmoniosa fora do Brasil do que jogando dentro da sua própria terra. Tudo isto porque as pessoas que vão ao estádio não vão para torcer pelo Brasil, vão para ver o Brasil jogar.

É como se não tivéssemos mais uma seleção.
Como se a seleção brasileira pertencesse ao mundo e não ao Brasil.
Como se ela fosse uma fábrica de espetáculos.
Um circo que nós pagamos caro para ver e exigimos que os palhaços nos façam rir o tempo todo à nosso bel-prazer, para espantar nossa tristeza e alimentar nossas ilusões.

E esta relação viciada com uma “instituição” que já foi o xodó dos brasileiros – mesmo em momentos de crise onde se passou 24 anos sem ganhar nem ao menos um título mundial – é o que mais tem atormentado as campanhas deste não tão brilhante time atual.

brasil bolivia

Ontem, a equipe vinha esquentando e estava jogando relativamente bem durante os 20 primeiros minutos da partida, onde a Bolívia somente se defendia e o Brasil atacava de modo tímido, reconhecendo o território como sempre foi característica das nossas equipes.

O problema começou a se construir quando com apenas 20 minutos de jogo a torcida já começava a pegar no pé de alguns jogadores da seleção, deixando a disputa cada vez mais tensa e truncada.

Os bolivianos, que apesar de estarem na lanterna não são bobos, sentiram isso e aproveitaram para gerar todo aquele tumulto em campo, correndo como loucos, dividindo todas as bolas e concentrando seus 11 jogadores (posteriormente 10) dentro da própria região defensiva.

Tudo isto, somado à crescente ansiedade e nervosismo da equipe canarinha, acossada pela própria torcida, criou o clima ideal para os adversários segurarem o empate por zero a zero.

E daí para frente, reinou o caos.
Foi um verdadeiro festival de passes errados, dribles incompletos, chutes tortos e a nossa velha mania de insistência nas jogadas pelo meio (característica que tem que ser imediatamente extirpada da nossa seleção pois não cabe mais no futebol atual).

O espetáculo de ontem foi triste…

ronaldinho

Categorias: Esporte
Tags: , , , ,
setembro 11, 2008 | Por Thiago | 2 Comentários

2 Comentários to “Eliminatórias: Brasil e Bolívia empatam no Engenhão”

  1. kleiton:

    A manifestação contrária só reflete a apatia do time de Dunga e não o contrário. Diferentemente do que o dito outras seleções também são exigidas – inclusive a Argentina depois da derrota da copa de 98 pra Inglaterra, – quando não correspondem em campo. Chega de patriotada barata e olhemos pra seleção também com o olhar crítico. Fechar os olhos para o erro é querer viver das glórias do passado quando a situação presente denota cuidado e, principalmente,sensatez na análise. Temos ainda bons jogadores que não são devidamente aproveitados porque falta inteligência no comando( como os laterais Marcelo e Wilsinho, que se saíram bem na frustante olimpiada). Um comando covarde, com parte de jogadores covardes que agem por impulso quando instigados -daí a prejudicial vitória contra o Chile. Torcida brasileira ama futebol e não se importa em pagar pra ver seleção, se importa sim em enxergar um time apático e ter que sair do estádio silenciado por canais que não existem pra manifestar-se…a nao ser a vaia que, assim, torna-se legítima.

  2. kleiton:

    Questionar a vaia é a mesma coisa que fazer um blog e não aceitar comentários. A vaia representa a palavra de reprovação ( ou reprovação só vale se se disser a palavra”fora” com todas as letras?).

Comente